ANÁLISE IN VITRO DO POTENCIAL BIOTECNOLÓGICO DA Oeneocarpus bacaba Mart. NA PREVENÇÃO E REDUÇÃO NEUR

Catarina Melo Cardoso e Maria Iza Demes Gonçalves

General

18324

Divulgación Científica

O dramático aumento da longevidade humana visto, ao longo do último século, fez com que um grande número de indivíduos viesse a atingir uma idade crítica para o desenvolvimento de doenças neurodegenerativas. Dentre essas, a doença de Alzheimer. Diante deste problema a pesquisa tem como objetivo investigar in vitru a viabilidade dos genótipos da bacaba (Oeneocarpus bacaba Mart.) na redução neurodegenerativas de Alzheimer. A metodologia aplicada foi ensaios biotecnológico em laboratórios de forma aplicativa e conclusiva, onde se teve os seguintes resultados em100 gramas analisadas por gemorplasmas. Compostos bioativos para genótipos de Oenocarpus bacaba foram os fenólicos, flavonoides totais e antocianinas totais. Nas Análises química, nutricional e farmacológico encontrou-se gorduras, carboidratos 35,5g, vitamina B1 362 mcg, vitamina B2 11mcg, vitamina B3 0,401 mcg, vitamina C 8,0mcg, Cálcio 113mcg, Fósforo0,55mg e Ferro 12,6mg. Nos parâmetros físico-química da parte comestível da Bacaba encontrou-se acidez total titulável (g de ácido cítrico/100g) 0,19, pH 6, açúcares redutores (g de glicose/100g) 4,64, Açúcares Totais (g de glicose/100g) 4,75, Umidade (%) 31,32, Cinzas 1,4, Proteína g/100g 4,58, Lipídeos g/100g 18,03. Na aplicação do vinho não fermentado sobre a placa com ensaio simulativo com beta-amiloide, os resultados em triplicata no tempo entre 10 a 40 minutos houve a quebra da proteína beta-amiloide em uma variação de 50% a 95%. Já o vinho fermentado utilizando o mesmo tempo a variação foi em torno de 50% a 99%. Já no processo simulativo in vitro utilizando o vinho não fermentado sobre as placas de beta amiloide em 40 minutos a quebra em germoplasma 0001 e germoplasma 0003 foi de 98%, com variação de 48%. Nas placas germoplasma 0002 e 0004 alcançaram 30% e 40% com a variação de 35%. Nos testes em triplicata após 72 horas, a quebra do beta amiloide foi em torno de 72,5% para germoplasma 0001, 15% para germoplasma 0002, 69%, para o germoplasma 0003 20,5% e para o germoplasma 0004. A implementação biotecnológica da bacaba como terapia adjuvante na Doença de Alzheimer mostrou resultados satisfatórios, isto visto nos ensaios com material sintético. Visto que agem na parte química da neurotransmissão. Operando assim em outros eventos, tais como a oxidação e a neurodegeneração, concluindo-se que deve haver uma integração do vinho da bacaba com acompanhamento de especialista para potencializar a prevenção e o tratamento Doença de Alzheimer. De maneira geral, os resultados indicaram que os germoplasma da Oenocarpus bacaba podem contribuir de maneira importante na prevenção e redução neurodegenerative da doença de Alzheimer Palavras chaves: Neurodegenarativas; Germoplasma; Beta-amiloide;

Participantes

CATARINA MELO CARDOSO

MARIA IZA DEMES GONÇALVES

Zilmar Timoteo Soares

Escuela

UNITINS

Brasil-TO-Augustinóplis