Método R-Mattos de Transcrição Sonoro-Háptica para Deficientes Auditivos

TIME SICCA/AGTI

General

18320

Divulgación Científica

Deficientes auditivos podem sofrer com problemas graves de linguística, enfrentando barreiras na acessibilidade e na comunicação com outras pessoas, principalmente aquelas que não conhecem a Língua Brasileira de Sinais (Libras). Esta pesquisa tem por objetivo a proposição de dois métodos de transcrição sonoro-háptica que permita a conversão automática do áudio capturado pelo smartphone do deficiente auditivo em sequências de vibrações que mapeiam as letras do alfabeto. Para a realização dos testes e para demonstrar a viabilidade técnica de implantação dos métodos, são apresentadas as construções de dois protótipos eletrônicos com o uso de tecnologias de baixo custo, placa de prototipagem Esp32, comunicação bluetooth e atuadores hápticos do tipo vibracall. No primeiro modelo as letras foram distribuídas binariamente em sequência, mas divididas em grupos (representadas por apenas 2 pontos de vibração). No segundo, o alfabeto em libras foi estudado e cada letra é representada por uma vibração na ponta de cada dedo que tocaria a palma ou outro dedo no gesto que representa a letra em Libras (utilizando 6 pontos de vibração). O sistema foi validado inicialmente com 10 voluntários não deficientes auditivos, orientados por profissional qualificado a compreender as formas de representação. O primeiro método (de mais fácil associação por tratar-se de mapeamento binário simples) obteve 78% de assertividade em um grupo de caracteres escolhido (de A à G) enquanto o segundo sistema (mais óbvio para deficientes auditivos pelo mapeamento dos gestos em Libras) obteve 65%. Isso mostrou um grande potencial da solução proposta, visto que os voluntários que nunca tiveram contato com representações hápticas tiveram pouco tempo de aprender o sistema, envolvidos cerca de 15min com o teste entre apresentação, tutorial e realização do mesmo. Deste modo, acredita-se que com um maior tempo de aprendizagem e treino, esta assertividade pode chegar próxima aos 90%, tanto no primeiro método quanto no segundo. Novos testes serão realizados especificamente com deficientes auditivos em agosto/2019, buscando a análise, a observação e a validação junto ao público-alvo desta pesquisa. Previamente, existe a crença que o segundo método com mapeamento háptico de acordo com a posição dos dedos no alfabeto em Libras, será de melhor compreensão e assimilação pelos voluntários, invertendo a tendência demonstrada nos testes iniciais com não deficientes auditivos.

Participantes

JAIME CARLOS RENCK NETO

Rodrigo Moreira Barreto

Escuela

QI Faculdades e Escola Técnica

Brasil-Rio Grande do Sul-São Leopoldo